Primeira comercialização de créditos de carbono no Brasil

O Brasil entra numa nova era. Encontrei com meu amigo de colégio Carlos Eduardo Young, todo feliz com seu pequeno Gabriel, de três meses no colo. Economista UFRJ especializado em meio ambiente, Cadu me falou sobre a primeira validação de uma auditora internacional para comercialização de créditos de carbono gerados com a floresta em pé no Brasil. A Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Juma, no Amazonas, recebeu pontuação máxima na categoria "ouro" do padrão Climate Community and Biodiversity Alliance (CCBA), uma respeitada organização voltada para projetos ambientais em fase de desenvolvimento. Com a validação, passa a ser possível agora à reserva amazonense quantificar cientificamente o montante de dióxido de carbono (CO2, o principal gás-estufa) que deixa de ser jogado na atmosfera com o desmatamento evitado. Estamos agora com a árvore e o fruto na mão. cabe a nós saber o que fazer.

Sequestro em SP: A culpa é de quem?

A Diretora do Clube de Comunicação em São Paulo, Thaís Naldoni, editora-executiva Portal IMPRENSA, trouxe uma discussão importante para o Clube de Comunicação, onde sou Diretora de Relacionamento. Comentem em http://portalimprensa.uol.com.br/colunistas/colunas/2008/10/18/imprensa311.shtml. Como o assunto tem muito a ver com a imprensa, com os comunicadores em geral e mais ainda com a sociedade, trago para cá esta discussão. O Blog do Jorginho, Jorge Antônio Barros, tem uma análise bem interessante de um dos maiores especialistas no estudo de ações táticas policiais. Recomendo também a leitura do livro do Bucci, "Sobre a Ética e a Imprensa", considerado o melhor sobre este tema tão importante. E sugiro relermos o Código de Ética dos Jornalistas para termos estas questões na ponta da língua. http://www.jornalistas.org.br/download/codigo_de_etica_dos_jornalistas_brasileiros.pdf.

Resumindo, para não escrever um outro livro aqui, que opiniões em lista de discussão não são para isso, Bucci diz que sensionalismo é eticamente reprovável. Ela lista 10 mandamentos. Alguns deles são:
1- Pensar nas consequências do que se publica. Ex. Não se noticiar suicídio. E expor vidas ao risco, como houve neste sequestro em SP?
2- Contar a verdade não é o bastante. Mais uma vez, o jornalista deve levar em conta as consequências de seus atos antes de decidir o que fazer.
3- Possuir impulso de educar. Houve isso quando se entrevistou o sequestrador?
4- Distinguir opinião pública de opinião popular. Ex: opinião pública é diferente de curiosidade perversa do público.


É muito perigoso o jornalista se considerar acima do bem e do mal. É preciso chamarmos para um debate urgente os produtores de conteúdo na internet, e não só a grande imprensa, porque concordo com o Bucci que a prática jornalística nunca dependeu tanto da reflexão como agora, ainda mais um momento em que há 113 milhões de blogs na web. Estes números foram publicados na segunda-feira, ou seja, já estão velhos. Uma redação é um núcleo encarregado de pensar, ainda mais na era da internet em que todos são produtores de conteúdo e, mesmo que a Sônia Abrão e o Datena não estivessem brigando por audiência, alguém poderia colocar este vídeo ao vivo na TV UOL. Hoje o UOL já fatura duas vezes mais que o Estadão. Ou no Google, o maior do mundo. Precisamos tomar muito cuidado com fazermos jornalismo para outros jornalistas tudo com medo de tomarmos o furo. "Se eu não der, o outro dá", justificam os que pensam assim. Na minha época de TV Globo, a empresa que mais tempo assinou minha carteira, ficou proibido detalhar sequestros: como foi, de onde arrancou a vítima, etc. Tudo para que a emissora fizesse sua parte em não contribuir com a difusão deste "ensinamento". Suicídio, idem. Lembro de um dia que estava sozinha no plantão e atendi ao telefonema do Dr. Roberto Marinho cedinho perguntando se tínhamos dado o suicídio da Elisinha Moreira Salles. Esta discussão tem que envolver também especialistas em gerenciamento de crises porque há muitos atores envolvidos: sociedade, segurança pública, imprensa. Mais do que culpar A ou B por esta morte precoce, necessitamos evitar as próximas porque maluco é o que não falta. Aliás, estou impressionada com a quantidade de malucos soltos por aí.

Hoje eu desenho o cheiro das árvores

Eu ia para Sana amanhã, sábado, mas o tempo está ruim, querendo chover. Chuva não combina com cachoeira. Nesta semana na rede de jornalistas ambientais, rolou uma troca de emails sobre os poetas que escrevem a respeito da natureza. Encerro a semana com uma homenagem a Manoel de Barros. Um presente para aqueles que também são fãs dela e dele. Comentem suas viagens, compartilhem suas poesias. Esta cachoeira da foto fica em Parati.

Uma Didática da Invenção, do "O Livro das Ignoranças", ed. Civilização Brasileira.

I
Para apalpar as intimidades do mundo é preciso saber:
a) Que o esplendor da manhã não se abre com
faca
b) 0 modo como as violetas preparam o dia
para morrer
c) Por que é que as borboletas de tarjas
vermelhas têm devoção por túmulos
d) Se o homem que toca de tarde sua existência
num fagote, tem salvação
e) Que um rio que flui entre 2 jacintos carrega
mais ternura que um rio que flui entre 2
lagartos
f) Como pegar na voz de um peixe
g) Qual o lado da noite que umedece primeiro.
Etc.
etc.
etc.
Desaprender 8 horas por dia ensina os princípios.

IV
No Tratado das Grandezas do Ínfimo estava
escrito:
Poesia é quando a tarde está competente para
Dálias.
É quando
Ao lado de um pardal o dia dorme antes.
Quando o homem faz sua primeira lagartixa
É quando um trevo assume a noite
E um sapo engole as auroras

IX
Para entrar em estado de árvore é preciso
partir de um torpor animal de lagarto às
3 horas da tarde, no mês de agosto.
Em 2 anos a inércia e o mato vão crescer
em nossa boca.
Sofreremos alguma decomposição lírica até
o mato sair na voz.

Hoje eu desenho o cheiro das árvores.

IX
O rio que fazia uma volta atrás de nossa casa
era a imagem de um vidro mole que fazia uma
volta atrás de casa.
Passou um homem depois e disse: Essa volta
que o rio faz por trás de sua casa se chama
enseada.
Não era mais a imagem de uma cobra de vidro
que fazia uma volta atrás de casa.
Era uma enseada.
Acho que o nome empobreceu a imagem.

Teoria das Comunicações de Massa

Estou aqui lendo "Teorias das Comunicações de Massa", de Mauro Wolf. Descobri um sebo muito legal onde se compra altos livros com excelente qualidade a baixo custo, http://www.estantevirtual.com.br . Pensamento do Dia: "Há, portanto, algo nos não-informados que faz com que seja difícil atingí-los, seja qual for o nível ou a natureza da informação" (Hyman-Sheatsley, 1947, p.450). Esta é uma boa discussão.

"Nenhum banco comercial irá quebrar", prevê Stephen Kanitz

Ontem uma pessoa me falou que tirou dinheiro do banco, colocou R$ 50 mil na conta de cada filho porque o Banco Central garante apenas este valor na conta nossa de cada dia caso o pior aconteça. Hoje uma amiga me disse que seu tio vai com os cinco filhos para Paris para esquecer que o mundo está acabando. Recebi agora o texto abaixo, assinado pelo Professor Stephen Kanitz, da USP.
"Toda crise tem sete fases:

Fase 1. Não há problema na economia, diz a autoridade econômica, é tudo boato.
Fase 2. Sim, temos um problema mas tudo está sob controle.
Fase 3. O problema é grave mas medidas corretivas já foram tomadas.
Fase 4. O problema é muito grave mas as medidas emergenciais surtirão efeito.
Fase 5. Pânico geral e salve-se quem puder.
Fase 6. Comissões de inquérito e caça aos culpados.
Fase 7. Identificação e prisão dos inocentes.

Os Estados Unidos e a Europa estão na fase 5. Brasil, China e Índia estão na Fase 3. Precisamos nos proteger contra a possibilidade de chegarmos na Fase 5, quando basta um entrevistado na televisão afirmar “que esta crise é igual ou pior que a de 1929”, como vários já falaram, ou escrever no jornal “as conseqüências da crise chegaram definitivamente no Brasil”, como já foi publicado, e gerar pânico por aqui.

Não, a crise ainda não chegou no Brasil, ainda estamos na Fase 3 e mesmo se crescermos 0% este ano, o que ninguém prevê, toda empresa irá vender a mesma coisa no ano que vem. Sua promoção pode estar em risco mas não o seu emprego.

Ademais esta crise nada tem a ver, nem terá, com a severidade da crise de 1929, quando 25% dos trabalhadores perderam seus empregos e que durou até 1940 com 14%. Na pior das hipóteses, o desemprego nos Estados Unidos aumentará 3%, mesmo assim só por 24 meses.

Se tivessem líderes administrativos socialmente responsáveis, eles já teriam ido a público garantir que manteriam o nível de emprego de suas empresas nos próximos 12 meses. Hoje custa mais para se treinar um novo funcionário do que para mantê-lo fazendo algo por 12 meses.

Depois que Alan Greenspan e Nouriel Roubini saíram dizendo que a crise era igual à de 1929, todos os americanos pararam de gastar, aumentando sua poupança e prevendo o pior. Ninguém sabe quem serão os 25% de desempregados. Quando 100% dos consumidores param de gastar por um único mês, cria-se uma espiral recessiva imprevisível. Outra alternativa seria alertar os 3% que talvez sejam demitidos para economizar, para que os 97% possam manter normalmente suas compras evitando a espiral recessiva.

Na crise de 1929, 4.000 bancos quebraram, e a mera referência a 1929 como fizeram Greenspan e Roubini, leva pessoas leigas a correr para os bancos, o que aconteceu agora na Europa.

A imprensa perdeu a capacidade de filtrar e processar informação premida pelo tempo exíguo para colocar tudo na internet. Publicam o que vier, especialmente se for notícia ruim.

Nenhum banco comercial irá quebrar, nenhum ainda quebrou nos EEUU, e mesmo se forem um ou dois, nada se compara com 4.000. Bancos sempre quebram mas ninguém percebe. Mesmo se quebrarem, o seu dinheiro, ao contrário de 1929, está no fundo DI e não no Banco. O Fundo DI está no SEU NOME e dos demais cotistas, e se um banco brasileiro quebrar, o que não vai acontecer, seu dinheiro está salvo. No máximo você terá de esperar uma semana para a troca de administrador do seu fundo. O dinheiro está aplicado em títulos do tesouro em SEU NOME, não do Banco.

Deixar o dinheiro onde está é o mais seguro. Se você resgatar o seu fundo DI, o dinheiro cai na sua conta, e se o banco quebrar justo neste dia, você vira um credor do banco. Nossos bancos estão recebendo depósitos dos apavorados estrangeiros. Muita gente em pânico está saldando suas cotas em fundos de ações e o seu gestor é OBRIGADO a vender uma ação mesmo com ela caindo 20% no dia, algo que você jamais faria.

Acionistas majoritários não estão em pânico, nem podem nem querem vender suas ações. Só os minoritários se sentem uns idiotas porque não venderam na “alta”.

Não temos bancos de investimento no Brasil. De fato, Roberto Campos implantou neste país este mesmo modelo americano que está ruindo, mas felizmente foi uma lei que “não pegou”. Problema a menos.

Só temos bancos comerciais, e estes são muito bem controlados pelo Banco Central. Além do mais, nossos bancos têm dono, e por isto estão pouco alavancados, 4 a 5 vezes, contra 20 a 25 vezes dos bancos de investimentos americanos.

O Brasil não está alavancado. Nossos créditos diretos ao consumidor não passam de 36%do PIB, e devem crescer para 40% no ano que vem. Os Estados Unidos estão alavancados em 160% do PIB e é esta desalavancagem súbita que está causando problemas.

Nosso Banco Central, adotou o que venho alertando há anos a países e famílias - a política de ter reservas para os dias de crise e hoje temos US$ 200 bilhões. Pela primeira vez o Brasil tem reservas para sustentar uma crise duradoura, sem ter que se endividar para cobrir furos de caixa.

Temos um sistema financeiro dos mais modernos e rápidos do mundo implantado devido à inflação galopante dos anos 90. Nos Estados Unidos demora-se duas semanas para se descontar um cheque entre bancos, por isto o sistema travou. Nenhum banco confia em outro banco numa crise destas.

Esta é a hora para disseminar a nossa força, as nossas reservas, a competência de Henrique Meirelles, primeiro administrador financeiro (Coppead) a comandar o nosso Banco Central, e já se nota a diferença. Está na hora de mostrarmos ao mundo que como a China e Índia, nós vamos crescer via mercado interno, com produtos populares, tese que há anos venho defendendo.

Esta é a hora de mostrar o que DÁ CERTO no Brasil em vez de conseguir fama no rádio e na televisão mostrando o que poderia dar errado.

Lembre-se que os verdadeiros culpados já estão se movimentando para culpar os inocentes, e assim saírem incólumes e mais poderosos.

Stephen Kanitz
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.". Achei muito interessante este ponto de vista. E você? Tem algo a acrescentar?

"Ser voluntário transformará sua vida"

Ana Luiza Badaró, uma amiga, me escreveu. "Vivi uma experiência que talvez você possa aproveitar no Vale Encantado. Passei três dias com uma indiana da comunidade Arte de Viver, (www.artedeviver.org.br, ONG internacional cujo fundador - Sri Sri Ravi Shankar - foi candidato ao Prêmio Nobel da Paz), que nos ensinou sobre o controle do stress através da respiração". Segundo ela, para quem já é inciado em yoga ou meditação, não há muitas novidades mas, no caso dela, "fiquei totalmente encantada com tudo o que ouvi daquela mulher que parecia levitar enquanto conversávamos sobre o ser humano, valores a resgatar, e sobre conceitos como paz e felicidade".

Ela foi informada de que, na India, após a entrada na adolescência, todo jovem (provavelmente de algumas castas) passa a ser acompanhado também por um guru. Se na escola vai continuar aprendendo sobre como se preparar para os desafios profissionais, seu guru vai ensiná-lo a lidar e manter sob controle as emoções negativas, saber tão fundamental como todos os outros, na opinião deles.

De acordo com a a instrutora Rajshree Patel, existem quatro formas de se aumentar o nível de energia vital (prana) no organismo: alimentação, sono (esses dois primeiros têm efeito contrário em caso de excesso), respiração e alegria. "Realmente, quem nunca sentiu a energia gerada após um episódio de realização ou na volta de uma viagem maravilhosa?", ressaltou minha amiga, uma educadora muito reconhecida. No entanto, infelizmente, nem sempre podemos contar com dias ensolarados, pois a vida também nos reserva momentos de tempestade. Sobra a respiração, portanto, como ferramenta simples e poderosa para o alívio da sobrecarga mental. Segundo a mestre, a respiração é a ponte entre nosso corpo e a mente. Há um ritmo para cada estado. "Respiramos mais rapidamente quando estamos ansiosos ou com raiva, mais profundamente na tristeza, e assim por diante. Num momento de stress, trocando o ritmo da respiração para um de tranquilidade, o cérebro se acalma imediatamente, dando-nos a oportunidade de responder ao invés de reagir", acrescentou a psicóloga.

O que prometem? Não é pouca coisa: mais saúde, concentração, tranquilidade, criatividade e qualidade de vida em troca de 20 minutos diários da respiração ensinada no curso. E uma mente focada no presente, pois se prender ao passado é garantia de saudosismo, raiva ou culpa, enquanto viver no futuro é ter expectativas, medos e ansiedades desnecessários.

Rajshree prometeu quase que a "fórmula da felicidade" se somarmos à respiração diária a prática de um trabalho voluntário por duas horas semanais. "Faça, nem que seja por você. Ser voluntário transformará a sua vida", recomendou.

Ana Luiza revelou que, por enquanto, ainda não sentiu grandes mudanças. Mas o Phil, marido dela, dormiu como uma criança enquanto a Bolsa despencava nos últimos dias, fato inédito e totalmente surpreendente. "Se for simples assim e trouxer toda essa paz de espírito, estou dentro! Por isso pensei em te convidar para levá-los ao Vale, já que dão cursos gratuitos em comunidades carentes, e têm conseguido resultados excelentes em presídios e fundações de menores infratores. Me avise", escreveu.

Mais informações em :www.artofliving.org. Eu adorei isso e já vou agendar com o Tavinho, Presidente da Cooperativa Vale Encantado, Ana Luiza. Logo depois da nossa campanha de arrecadação de brinquedos para o Dia das Crianças.

Brasileira apresenta no Chile novos paradigmas da comunicação

A jornalista Simone Barros Rabello e mais 83 brasileiros irão se apresentar no IV Congresso Panamericano de Comunicação – “Creatividad, Industrias Culturales y Desafíos para los Comunicadores” entre os dias 22 e 24 de outubro, em Santiago, no Chile. Muito chique isso de conhecer gente que faz palestra no exterior. Foram 200 trabalhos selecionados, 42% deles são brasileiros. O tema do trabalho dela é “Comunicação integrada - processos criativos com as novas mídias”. Interessante ver nossos pensadores sendo reconhecidos na América Latina. Simone me antecipa seu trabalho: “a construção de uma nova comunicação integrada passa pelo agrupamento de fatores como conteúdos múltiplos e dinâmicos, equipes multidisciplinares, realinhamento de processos, informação em tempo real e interatividade. Novos empreendimentos em comunicação devem estar atentos à crescente relevância das novas mídias. A comunicação criativa é fator fundamental para que se desenvolvam os novos processos organizacionais. O atual cenário de grandes e constantes mudanças tecnológicas afeta diversas áreas do saber, a vida em sociedade e a comunicação. Por meio de redes globais constitui-se o elo de novos paradigmas”. Quem quiser entrevistar os brasileiros e saber o que mais falarão, pode obter mais detalhes com Francisco Javier Mas Fernández, Coordenador do IV Congresso. Seus telefones são: (56-2)3281373 - 3281400 e o email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O que você tem visto de interessante por aí? Traga para cá para debatermos.

Você já navegou em http://www.wiki2buy.com.br?

Acabei de receber um email da jornalista Cristina Freitas falando deste desdobramento wiki. Recomendo visitar http://www.wiki2buy.com.br. Fui de cara lá nas lojas de vinho... Muito legal! Ainda vai melhorar muito, com certeza, mas hoje já são 1957 guias de produtos. Só depende de nós.

Google premia idéias que possam mudar o mundo

O Google anunciou nesta quarta (24) um concurso que pretende premiar "idéias que possam mudar o mundo". O Projeto "10^100" (dez elevado a 100) vai selecionar as cinco melhores idéias cadastradas no site e dará um prêmio total de US$ 10 milhões para financiar as propostas. Mais informações em http://www.project10tothe100.com/intl/PT_BR/index.html. Aviso já que estou dentro e, ganhando ou não, parabenizo o Google pela iniciativa! E que este espaço aqui seja para publicar sempre boas notícias...

Estudante Marcos Serrão ganha bolsa da King Abdullah University of Science and Technology

Já que comunicação é assunto para bares e restaurantes, a Pati Serrão estava me contando que o Rei Abdullah resolveu criar uma universidade de ponta na Arábia Saudita, a King Abdullah University of Science and Technology (KAUST). Para isto ele disponibilizou nada mais, nada menos que alguns bilhões e está selecionando bons alunos que estejam interessados em pesquisar novas tecnologias. Eles estão fazendo contratos com alunos ainda na faculdade e o irmão dela, Marquinhos, 20 anos, que acaba de ser selecionado, disse que as inscrições ainda estão abertas. Há três sites com mais informações sobre o assunto:

http://www.iielatinamerica.org/cgi-bin/contenido.pl?p=kaust
http://www.kaust.edu.sa
http://www.poli.ufrj.br/arquivos/kaust_discovery_scholarship.pdf

Quem esta organizando as bolsas nas Américas é o IIE, um instituto de educação que também trabalha com distribuição-seleção de outras bolsas. A sede do IIE para a América Latina fica na Cidade do México. Neste ano, eles vieram à América do Sul dar palestras. Na UFRJ conseguiram o total apoio do professor Erickson Almendra e a sala escolhida foi pequena pra quantidade de alunos interessados. Eles também deram palestras na PUC-Rio, Unicamp e UFSCar, entre outras.

Após alguns longos meses de espera, veio o resultado oficial e- veja que máximo!- o Marquinhos, estudante de engenharia, carioca, morador da tijuca, foi chamado para entrevista em São Paulo. "Pagaram tudo na nossa viagem: passagens aéreas e mais
U$100,00 pra despesas rotineiras (taxis, almoço, etc.). Éramos seis só no Rio de Janeiro, estávamos marcados pra vôos diferentes mas, por coincidência do destino, acabamos quase todos pegando o mesmo vôo. Dividimos dois taxis de Congonhas até o Hotel Hayatt, um dos mais chiques de Sao Paulo", contou Marquinhos, entusiasmado. Em breve, ele poderá nos contar sua experiência, diretamente da Arábia Saudita. Enquanto isso, quem quiser saber mais, pode usar esta mesa de restaurante virtual aqui, Shopping de Comunicação, um espaço informal para nos comunicarmos e aprendermos o caminho do sucesso. Parabéns, Marquinhos!

Mais Artigos...

  • Seis livros escritos para clientes.
  • Cristo redentor é eleito uma maravilha do mundo moderno com 800 mil votos, o terceiro mais votado.
  • Mensuração de resultados em Marketing: Esplendores do Vaticano, O Mágico de Oz, Tudo por Um Por Star, Kirov, O Rei Leão, Débora Colker, Barbaridade e vários outros.
  • Mais de 130 juízes eleitorais treinados.
  • A Árvore de Natal da Bradesco Seguros, a maior árvore de Natal flutuante do mundo, passa a ser notícia no mundo.