Case: Arena de Responsabilidade Social

Arena de Responsabilidade Social.Inspirada na Rio 92, a Conferência Mundial do Meio Ambiente realizada no Rio de Janeiro, a Arena de Responsabilidade Social, 10 anos após, em 2002, foi uma experiência incrível. Trabalhei com a jornalista Andrea Gouvea Vieira contratadas pela Edelman Public Relations. Levamos 35ONGs ao Riocentro para debater questões socioambientais com Presidentes da OPEP (Organização dos Paises Exportadores de Petróleo) e da AIE (Agência Internacional de Energia), Ministros de Energia e CEOs das maiores empresas de petróleo do mundo. A sugestão de case inédito na história mundial do petróleo foi acatada pelo cliente, o IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis), presidido por João Carlos de Luca, quebrando um paradigma global graças à sua coragem e ousadia. Pela parte do cliente, a coordenação da Arena foi de Marcelo Nóbrega, a direção de Milton Costa Filho e a gerência de marketing de Rosângela Nucara. A Arena foi ainda copiada pelo WPC (World Petroleum Congress) que o sucedeu, na África do Sul, entrando definitivamente na história do evento, que teve sede em Madrid, na Espanha, em 2008. Se quiser conversar mais sobre este assunto, envie um email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Palestras e Treinamentos

Engenharia Social. Sempre em busca do pioneirismo, a Petrobras me contratou para realizar um treinamento para 30 gerentes da área de Gás e Energia. A palestra contou com a participação do responsável pela segurança da informação da Presidência da empresa. O tema foi Engenharia Social, uma das mais antigas técnicas de roubo de informações corporativas. Especialistas em segurança da informação têm dito que a engenharia social será a maior ameaça à continuidade dos negócios nos próximos anos. Minha palestra sobre o tema traça um paralelo entre este assunto, reputação corporativa e as técnicas de reportagem com objetivo de ajudar as empresas a melhor protegerem seus dados. Estudos demonstram que riscos de rede e de TI, como violações e quedas de sistema estão entre os cinco principais problemas relacionados a riscos de reputação.

Gerenciamento de Crises
Meu curso de Gerenciamento de Crises tem 18 horas, mas pode ser reduzido ou ampliado de acordo com o momento estratégico da empresa. Abordamos crises ambientais, regulatórias, governamentais, de fusões/ aquisições, descontinuidade de produtos, investimentos, saidas de presidentes, acionistas, questões jurídicas ou problemas sindicais, instalações obsoletas e precárias). O feedback dos alunos de Pós-Graduação em Comunicacao Empresarial da UniverCidade levou o coordenador do curso, Ronaldo Lapa, a me convidar para conduzir este treinamento na Fundação Getúlio Vargas.

Relacionamento com Imprensa
A mídia é a terceira instituição mais confiável no Brasil, perdendo apenas para os médicos e para as Forças Armadas, segundo o IBOPE. Por que e quando dar entrevistas? Que mensagens queremos passar e para quem? Panorama da mídia; Crescimento da internet, orkut, spams, blogs e perfil dos veículos web; O que a mídia pensa das instituições; Como maximizar resultados de seus encontros com a mídia.

Publicações e conteúdos WEB

Publicações, sites e portais são meios para mantermos relacionamento com nossos públicos. A conquista de um Prêmio Esso, cobertura de CPI dos Anões do Orçamento em Brasília, Campanhas e Posses de Presidentes da República, Carnaval, Hollywood Rock, Rio 92, guerra urbana carioca e entrevistas para o livro best seller “Cidade Partida”, de Zuenir Ventura e outros como Ghost Writer estão entre os textos que produzi assim como edição de Revista da Universidade Petrobras, em que nosso desafio foi conceber uma revista que entrasse para a história das publicações da empresa, com conteúdo robusto, adequado a uma periodicidade trimestral.

Outras experiências interessantes: Elaboração do Portal Ambiental da PUC em 2007, Edição de encarte sobre o Fórum de Riscos Ambientais, patrocinado pela Bradesco Seguros, em São Paulo, veiculado na Exame, Época Negócios, Veja, Valor Econômico, O Estado de São Paulo, Correio Braziliense e O Globo; Produção e revisão de textos sobre 16 dos 24 países em que a Petrobras atua para o Programa Missão Petrobras (Comunicação Interna); Produção de matérias para a Petrobras Magazine; Coordenação de matérias do Jornal Linha Direta Corretor, distribuído para 26 mil corretores credenciados pela Bradesco Seguros, maior grupo segurador da América Latina; Coordenação de matérias para o Jornal Linha Direta Gerente, distribuído para 5 mil gerentes das agências do Banco Bradesco; Editora das publicações impressas e eletrônicas do Congresso Mundial de Petróleo (WPC), a Copa do Mundo do setor, patrocinada pela Petrobras e mais 45 empresas; Produção de Matérias para o Jornal Linha Direta, de Furnas; Editora do Via Rio e do Via Sampa, primeiro guia de entretenimento na Internet, cobrindo as áreas de cinema, teatro, gastronomia, shows e eventos das duas cidades; Editora de informativo da Fundação Brasileira para Conservação da Natureza (FBCN); Editora e repórter de Revista do Clube do Milhão, produzida para a Ipiranga.

No mundo globalizado, a internet é o meio de comunicação mais ágil de que dispomos. Se uma empresa ainda não está na grande rede mundial, a Shopping de Comunicação se encarrega de produzir os textos e gerenciar a produtora web. É assim desde 97, quando fui uma das primeiras jornalistas a trabalhar em internet, como editora-chefe Via Rio e, posteriormente, do Via Sampa, idealizado por Marcelo Almeida e Alex Pinheiro, da Muiraquitã. “Com a Shopping de Comunicação conseguimos tirar do papel o projeto de desenvolver um Portal Ambiental da PUC. Temos recebido muitos elogios”, declarou Luiz Felipe Guanaes Rego, Diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC.

Serviços da SDC

A Shopping de Comunicação (SDC), uma consultoria que desenvolve soluções sob medida para o perfil do cliente, é focada em resultados mensuráveis em comunicação empresarial.

Relacionamento e Responsabilidade Sócioambiental
Apresentei a agência para um amigo e, contando nossos cases, ele me disse que não somos uma agência de comunicação, que somos uma agência de relacionamento. É por isso que desejo estar cada vez mais focada em criação, planejamento, implementação, supervisão, avaliação e integração de parceiros brasileiros e estrangeiros em projetos de responsabilidade sócioambiental e relacionamento, como fiz com o case franco-brasileiro Vale Encantado (www.vale-encantado.org), um projeto desenhado no Brasil e verba captada na França para preservação da Floresta da Tijuca, inclusão social e geração de renda. No dia 12 de maio de 2007, participei de um jantar organizado pela Manifeste e ONG Abaquar, no Castelo de Beleville, próximo a Paris, para apresentação de resultados do Projeto Lajeado, no Rio Grande do Sul e Vale Encantado, no Rio de Janeiro, que, entre outras ações, recebeu visita de estudantes de MBA da HEC, a principal escola de negócios da França.

Atuo promovendo parcerias e alianças sociais estratégicas entre empresas, organismos governamentais ou não-governamentais, estabelecendo cronogramas e metas de auto-sustentabilidade.

Para ter credibilidade é preciso que a empresa seja percebida de forma positiva pela opinião pública. Este resultado depende de um trabalho de relacionamento que abrange o desenvolvimento de ações visando uma aproximação entre a empresa e formadores de opinião como jornalistas, empresários, representantes sindicais e líderes comunitários. Liderei, em 2001, um amplo trabalho de relacionamento internacional com estes públicos para que as metas do World Petroleum Congress, o maior evento do setor no mundo, fossem atingidas.

Artigo: A alma imoral e o futuro das agências

Lendo o livro do rabino Nilton Bonder, a “A Alma Imoral”, que também fez sucesso no teatro, me deparei com um capítulo que me tirou da leitura e me transportou ao computador para um desabafo sobre uma angústia a respeito do futuro das agências de comunicação. “O longo caminho curto X o curto caminho longo” reflete sobre uma fala do rabi Ioshua, filho de rabi Hanina. Resumindo, Bonder comenta que, na trilha da sobrevivência, a mesmice muitas vezes é o caminho curto, o mais simples e o que tem custos mais elevados.

No curso que fiz na Syracuse University em 2006, um dos cinco módulos era sobre tendências em comunicação. Elas passam pela nossa inteligência de fazer crescer a importância da comunicação em nossas empresas para que tenhamos assento na diretoria e, para tal, é preciso informação, experiência, network, relacionamento, visão, intuição e uma série de atributos que passam pela capacitação e valorização de nossas equipes, qualificando-as para desafios cada vez mais estratégicos do que táticos. Este é o caminho longo e menos simples mas o que tende a levar ao olimpo.

O que me fez parar a leitura neste sábado à noite é a certeza de que este é o atalho para as estradas de longa duração que são pavimentadas em asfalto de qualidade diferente dos que optam pelas rodovias de curto prazo, aquelas mais baratas, aquelas que não têm compromisso com a elevação de nossa profissão à assembléia de acionistas. Esta gente tem interesse que o profissional de comunicação continue sendo um analista, tarefeiro e por isso nos desmerece.

Minha luta é pela intelligênzia (com z) com para que consigamos empregar todos os talentos a serviço do reposicionamento de nossa área nesta era do foco no resultado, da mensuração de cada evento, da eficácia e lucratividade a qualquer custo. Meu desabafo é para que os donos de agência tenham consciência na hora de formatar seus preços. Podemos perder batalhas, mas não a guerra. Aceitar certos leilões reversos é humilhação a que não podemos nos submeter. E, cá entre nós, não precisamos disso.

Cabe a nós com tanto estudo, inteligência (com c) e articulação lutar pela retomada das ferrovias ou a expansão das vias fluviais se as rodovias não estiverem mais frutíferas, mas jamais deixar estradas esburacadas e de terra porque não nos deram orçamento para trabalhar. Temos uma reputação a zelar. É uma questão de sustentabilidade para nossas agências. Sobreviverá quem souber fazer a opção pelo longo caminho curto, diz Bonder, e não pelo curto caminho longo. Eu acrescento: eu prefiro o caminho menos percorrido a esta luta de foice que leva a um perde-perde. Em nosso dia-a-dia sabemos muito bem quais são os longos caminhos curtos e os curtos caminhos longos. O terceiro milênio é o das novas relações de trabalho, de amizade, amor e concorrência. Coragem! E cuidado: “o curto caminho longo pode não levar a lugar nenhum”, adverte o rabino.

Um pouco mais sobre a trajetória de Malu Fernandes

Trabalhei até 1994 no marketing da Rádio Globo e da Xerox do Brasil e atuei como repórter, produtora, pauteira e editora de veículos como O Estado de São Paulo, TV Manchete, TV Globo e Jornal do Brasil, onde conquistei um Prêmio Esso. Cobri Cidade, Economia, Turismo, Política, Cultura e Tecnologia, incluindo a COMDEX, em Las Vegas, a maior feira mundial do setor.

Em 1994 iniciei a vida empreendedora. Nesta época comecei a fazer trabalhos de assessoria de imprensa, webmarketing, editei vídeos, jornais e revistas. Divulguei a vinda do Prefeito de Los Gatos (EUA) ao Brasil para promover a Copa do Mundo de 94; fiz lançamento da Chrysler; divulguei a maior área esquiável da América do Norte, Whistler (Canadá); escrevi sobre Cancun (México) como grande centro de entretenimento; comuniquei as maiores feiras de negócios de Colônia através da Câmara de Comércio Brasil- Alemanha; fui responsável pelas relações com a imprensa para o Congresso Brasileiro de Moda, que trouxe ao Brasil profissionais como Oscar de La Renta, Givenchy e outros; fiz pesquisa para a ONU sobre trabalho escravo infantil no Brasil; produzi matérias para Television Suisse Romande durante o Forum Social Anti-Davos, Channel 4 (Inglaterra) e CNN, entre outras, através da Telenews, produtora que fazia matérias do Brasil para o exterior; organizei quatro exposições fotográficas sobre a Austrália.

Em outubro de 2001 assumi na Edelman, a maior empresa de Relações Públicas Internacional presente no país, a função de Diretora de Contas, responsável pela coordenação das áreas de assessoria de imprensa, publicações e relações públicas do maior Congresso de Petróleo do Mundo (WPC). Ao fim do congresso, ampliei as funções executivas na agência, auxiliando os gerentes e executivos de conta nos seguintes clientes: TIM, Petrobras, White Martins, Xerox do Brasil, Grupo Bradesco de Seguros, Escritório Gouvêa Vieira, Icatu Hartford, Gensyme, SNEL- Sindicato Nacional dos Editores de Livro e Restaurante Garcia & Rodrigues, entre outros. “Criativa, dedicada, bem informada, Malu Fernandes se destaca entre os profissionais de comunicação pela capacidade de entender o desafio dos clientes com uma visão macro, agregando sempre conteúdo e ampliando o posicionamento no mercado. Passa segurança e confiabilidade e, acima de tudo, cativa pela simpatia e otimismo. Ela acredita na mensagem e transfere a confiança. Nos anos em que foi minha parceira na BASI e, posteriormente na Edelman, Malu representou a garantia da satisfação dos clientes”, atesta a jornalista Andréa Gouvêa Vieira, General Manager da Edelman.

Escola MF de Comunicação

Fundei a Escola MF de Comunicação em 1996 com objetivo de compartilhar conhecimentos adquiridos com meu time de colaboradores e clientes. Cursos freqüentados por esta rede de pessoas mais clientes e amigos são tema de palestras. Convidados discursam e debatem sobre suas áreas de expertise que agreguem conhecimento a profissionais de comunicação empresarial. Alguns eventos foram: palestra com Christian Paterham, reconhecido como um dos maiores especialistas em Eneagrama, uma técnica milenar de auto-conhecimento utilizada pela CIA e Vaticano para formação de equipes. O Workshop “Método Archery”, com o campeão brasileiro Renato Emilio, envolveu os participantes através do uso e comparação do arco e flexa com os desafios novos e desconhecidos nas empresas. O Consultor André Luiz Freitas usou informações sobre os quatro lados do cérebro para fazer um treinamento sobre “Estratégias de Negociações”. “Estratégica Clássica Chinesa aplicada aos negócios" foi o tema do escritor Carlos Lima.

  • A Árvore de Natal da Bradesco Seguros, a maior árvore de Natal flutuante do mundo, passa a ser notícia no mundo.
  • Mais de 130 juízes eleitorais treinados.
  • Mensuração de resultados em Marketing: Esplendores do Vaticano, O Mágico de Oz, Tudo por Um Por Star, Kirov, O Rei Leão, Débora Colker, Barbaridade e vários outros.
  • Seis livros escritos para clientes.
  • Cristo redentor é eleito uma maravilha do mundo moderno com 800 mil votos, o terceiro mais votado.